<>

Home » Poesias Domingo, 26 de Maio de 2019







[ A ] [ B ] [ C ] [ D ] [ E ] [ F ] [ G ] [ H ] [ I ] [ J ] [ K ] [ L ] [ M ] [ N ] [ O ] [ P ] [ Q ] [ R ] [ S ] [ T ] [ U ] [ V ] [ W ] [ X ] [ Y ] [ Z ] [ 1 ... 9 ]



por: Castro Alves

Pelas sombras temerosas
Onde vai esta canoa?
Vai tripulada ou perdida?
Vai ao certo ou vai toa?

Semelha um tronco gigante
De palmeira, que s'escoa...
No dorso da correnteza,
Como bia esta canoa!...

Mas no branqueja-lhe a velar
N'gua o remo no ressoa!
Sero fantasmas que descem
Na solitria canoa?

Que vulto este sombrio
Gelado, imvel, na proa?
Dir-se-ia o gnio das sombras
Do inferno sobre a canoa!...

Foi viso? Pobre criana!
luz, que dos astros coa,
teu, Maria, o cadver,
Que desce nesta canoa?

Cada, plida, branca!...
No h quem dela se doa?!...
Vo-lhe os cabelos a rastos
Pela esteira da canoa!...

E as flores rseas dos golfos,
Pobres flores da lagoa,
Enrolam-se em seus cabelos
E vo seguindo a canoa!...